Bíblia do Caminho Seção Temática

Livro de Zacarias


O livro de Zacarias é o décimo primeiro dos profetas menores. Pode ser dividido como segue:


I. Introdução do livro e uma série de oito visões. A introdução (1.1-6) abrange não estas visões somente, mas é a principal nota para todo o livro. Aprenda a lição do passado: “Convertei-vos a mim e eu me converterei a vós” (Zc 1) 1ª visão: a manada de cavalos (7-17), velozes e mensageiros incansáveis. Por este retrato é mostrado que Deus está assistindo os eventos da Terra; não existe nenhum sinal de alívio para o povo de Deus ou de castigo de seus opressores; as nações estão em repouso. Ainda assim Deus é cioso e condoído por Sião e descontente com seus opressores; então, ele volta-se para Jerusalém com clemências; sua casa e sua cidade devem ser construídas, a terra deve prosperar muito. A primeira visão é introdutória para as sete que a seguem. 2ª visão: os quatro chifres e os quatro oficiais (18-21). A visão significa para cada um dos chifres,  que a destruição é designada para aquelas nações que devastaram a Judá. 3ª visão: o homem com a linha de medidor (2): A mensagem confortadora da primeira visão é desdobrada, isto é, a reconstrução da cidade. A ideia porém, é expandida, Jerusalém não deve ser medida, como as cidades normalmente o são, pela extensão de seus muros, tendo prosperidade ilimitada, deve aparecer sem muros; porém, não estará insegura, Jeová será um muro de fogo sobre ela. 4ª visão: Josué, o sumo sacerdote (3). O sacerdócio, embora humano e profanado, é uma brasa que se consome no fogo da ira de Deus, e arrancada e limpa, em condição de obediência, continua a graça prometida. Então é enfatizado que os sacerdotes são tipos dos Messias, e por uma ação simbólica é declarado que Deus tem um propósito que realizará; fará aparecer aqueles que os tipos representam. 5ª visão: o castiçal dourado e as duas oliveiras (4). Parece como se a leve luz da igreja, depois do exílio fosse apagar; não apagou, Deus proveu uma abundante e indefinível reserva de óleo. 6ª visão: o rolo voador (5.1-4). Deus pronunciou uma maldição para a destruição da maldade. 7ª visão: É a sequência da sexta visão (5-11). A maldade personificada como uma mulher é encarcerada, é removida da terra. 8ª visão: as quatro carruagens que emergem da presença do Senhor de toda a Terra (6.1-8). As quatro carruagens representam os quatro ventos, que comumente denota o poder invisível de Deus; e a visão é uma promessa que o plano inteiro esboçado na precedente série será executado pelo Senhor de toda a Terra.


II. Coroamento da ação simbólica do sumo sacerdote (6.9-15). Este procedimento é expressamente declarado pertencer ao futuro e se relaciona ao famoso renovo que era esperado, o rei da linha de David.


III. A deputação de Betel inquiriu se os jejuns deviam ser ainda mantidos, agora que os desastres que eles relembravam haviam sido em parte recuperados, e as quatro respostas do profeta 7, 8). 1. Os jejuns terminaram muito rápido; eles não afetavam obediência a Deus coisa que ele exige (7.4-7). 2. A justiça e verdade são o legado de Deus, que precisa ser obedecido. A desolação da terra e a dispersão do povo não eram uma calamidade para ser lamentada; eles eram um castigo pela desobediência e com intenção de operar a reforma (8-14). 3. Deus volta-se para Sião com grande zelo, e lhe assegurará justiça e santidade (8.1-17). 4. Os jejuns se tornarão festivais (18-23).


IV. Os fardos naturalmente seguem as visões que revelaram o propósito de Deus em destruir os opressores de Judá e trazer muitas nações ao reino. 1° fardo: Jeová subverterá os inimigos do reino de Deus. Os iminentes castigos que devem abater as nações circundantes. Um resquício da Filístia, porém, deve ser incorporada ao reino de Deus; e Jerusalém deve estar em segurança no meio da desolação, pois Deus deve acampar-se em torno do rei de Judá que deve vir (9).  Episódio: A exortação é para contar com o Senhor nas bênçãos prometidas; e não ídolos e sortilégios, que só levam o rebanho ao erro (10.1,2) Resumo da profecia. O Senhor, porém, como já disse, visitou seu rebanho, e por causa de sua ira o fará como o cavalo de guerra de sua batalha, Judá livre de todos os opressores, juntos ambos Judá e Efraim, e façam Efraim jovial em sua antiga habitação (3-12). Estas visões prometeram bênçãos, porém, não serão apreciadas ainda por algum tempo. A desolação da terra é o grito do profeta (11.1-3). A razão para esta desolação é explicada pela parábola do pastor rejeitado (4-17): por causa da rejeição continuada do governo íntegro de Deus, a convenção com as nações está quebrada, e Israel está aberto à desolação; por causa do mesmo pecado, a unidade de Judá e Efraim permanece incompleta, a debilidade e a discórdia é o resultado da desolação. 2° fardo: O conflito e triunfo final do reino de Deus. As nações da Terra armar-se-ão contra Jerusalém e Judá, que na época do profeta Zacarias era co-extensivo à igreja visível de Jeová; mas Jeová faz dela uma lança de bobinar e uma pedra penosa para as nações, enlouquecendo o inimigo, e revelando o fato de que os cidadãos de Sião são fortes no Senhor (12.1-8). A preparação de Jerusalém (12.9 até cap. 14. 5): Deus prepara Jerusalém, primeiro, pela sensível mudança espiritual forjada por Deus (12.10 até cap. 13.6); segundo, pelo castigo depurador (13.7 até cap. 14.5.). O triunfo final (5-21). O Senhor deve vir; deve ser um tempo de escuridão e julgamento, ambos para a igreja e as nações; mas uma vez designado por Deus, a agitação lá deve ser leve. A igreja deve florescer, e uma parte das nações deve subir de ano a ano para adorar Jeová, o rei. Então a ideia do reino de Deus deve ser percebida, e santificada a igreja.


O primeiro a insinuar que o livro de Zacarias não pertence em sua totalidade à caneta do profeta de quem nomeia foi José Mede, da academia da Igreja de Cristo, Cambridge, em 1653. Ele insinuou que aqueles capítulos de 9 a 11 foram escritos por Jeremias, porque Mateus citando 11.13 de Zacarias, remete-o a Jeremias (Mt 27.9). Este argumento não tem peso na estimação de críticos. Alguns dizem que a menção de Jeremias é um erro cometido por Mateus, enquanto outros acreditam que seja provavelmente uma primeira corrupção do texto de Mateus. Foi até sugerido que desde quando os hebreus fizeram a concordância das Escrituras pela primeira vez começaram com os últimos profetas, com Jeremias, observando a sequência Jeremias, Ezequiel e Isaías, em vez da ordem atual, Isaías, Jeremias, Ezequiel (veja Cânon), esta seção profética era às vezes chamada de Jeremias, da mesma maneira que os Salmos e Provérbios são chamados de Salmos de David e os Provérbios de Salomão, embora David não fosse o autor exclusivo dos Salmos nem Salomão dos Provérbios. Desde os tempos de Mede muitos críticos sustentam que no presente livro de Zacarias existe a escrita de dois, três, ou mais profetas. As visões principais são: 1. Os capítulos 9 a 11 foram escritos logo antes da queda de Samaria em 722 A. C., e os capítulos 12 a14 logo antes da destruição de Jerusalém em 587 A. C.; 2. Os capítulos 9 a 14 foram escritos no período Persa recente, mais que um século e meio depois da morte de Zacarias, ou no período dos Macabeus. 3. Os capítulos 9 a 14, como também os capítulos 1 até 8, pertencem  a Zacarias. O debate, portanto, preocupa-se com os caps. 9 a 14 somente. Todos os críticos confessam que Zacarias escreveu os primeiros oito capítulos. A seção debatida contém os dois fardos. Qual então é a data destes fardos? Com respeito ao primeiro fardo, quando foi escrito a casa do Senhor estava firme (9.15; 11.13); mas deste fato nenhum argumento sobre a data do fardo pode ser desenhado; porque o templo de Salomão estava de pé até o exílio, e o novo templo, construído depois do retorno, ficou em uso até depois do ano 515 A. C.. A referência em 10.10,11 foi citada para provar que o Egito e a Assíria eram grandes poderes no momento que esta profecia era entregue, e foi entregue depois que Israel tinha sido levada cativa (6), consequentemente depois da captura de Samaria, mas antes da queda de Nínive, mais ou menos 606 A. C.

Mas um profeta depois do exílio, como também um profeta de data mais antiga, podia predizer que os Israelitas seriam restabelecidos às terras de que tinham sido levados, isto é, do Egito e da Assíria; e embora a Assíria tenha sucumbido a um império mundial mais velho, ele podia ainda dizer que o orgulho da Assíria, em poder do qual os Israelitas estavam ainda mantidos em cativeiro, seria abatido; ou a Assíria pode ter sido usada como uma região geográfica, inclusive Babilônia, da mesma maneira que o termo foi empregado por Esdras (Ed 6.22), embora a região estivesse então sob o governo da Pérsia. Consequentemente, o primeiro fardo pode ter sido pronunciado antes da queda de Nínive, enquanto a Assíria era ainda poderosa, ou então depois do exílio quando o império assírio deu lugar a outros impérios, desde que o templo ainda existia, depois do sexto ano do rei Dario da Pérsia. Outro dado que contribui para a solução desta questão é obtido na declaração de que Deus quebrará a fraternidade entre Judá e Israel (14 do cap. 11). A fraternidade existiu até o reinado de Roboão, quando foi quebrada pela recusa das tribos do norte em prestar submissão adicional ao trono de David. Poderia também ser dito que foi quebrada quando Samaria caiu, e as tribos do norte foram dispersas. A fraternidade existiu outra vez depois do exílio para Babilônia. Ora, este fardo foi pronunciado depois da queda de Samaria e do cativeiro de Efraim (10.6), então ele pode ser datado corretamente como depois do exílio, quando a concepção atual era que Efraim e Judá estavam fraternalmente unidos. De fato eles estavam reunidos: muitos membros das dez tribos juntaram-se a Judá; e a nação existente foi universalmente considerada como representante das doze tribos, e nos dias de Esdras consequentemente foi oferecido doze cabras como uma oferta pelo pecado na dedicação do templo, e num segundo oferecimento pelo pecado, doze bois foram ofertados para todo Israel (Ed 6.17; 8.36; cp. Mt 19.28; At 26.7).

É verdade que o profeta frequentemente usa as expressões velho Judá e Efraim, e este fato prova que a profecia foi pronunciada logo antes do tempo de Zacarias, mas muitas pessoas que viveram depois do exílio usaram a expressão velho. Zacarias mesmo, nos primeiros oito capítulos emprega-a. Ele diz: “casa de Judá e casa de Israel” (9.13). Conclui-se,  consequentemente, que as referências ao período da fraternidade de Efraim e Judá apontam este período pós-exílio. É declarado que Deus levaria Judá contra os filhos distantes de Javã, ou os gregos (9.13). Observou-se que os gregos foram escolhidos por duas razões: (1) Porque o profeta conhece o conflito da igreja com as nações mais distantes do mundo. Javã e suas ilhas estava neste momento dentro do horizonte geográfico dos hebreus, e eles foram usados mais tarde como tipo de nação pagã (Gn 10.4,5; Is 41.5; 59.18; 66.19; Ez 27.13). (2) A característica nova é que Javã assoma aqui como o poder mundial do paganismo. A data mais antiga quando o poder da Grécia era evidente para observadores no império Persa foi durante os anos 500 e 479 A. C., e a grandeza próxima da Grécia como antagonista bem sucedida da Pérsia era claramente evidente. A Grécia com sucesso impediu o avanço dos braços Persas, e as cidades gregas da Ásia Menor estavam em revolta aberta contra seus senhores Persas durante os anos 500 a 495 A. C.; os Persas foram derrotados em Maratona em 490 e, depois de sua vitória nas Termópilas, foram cruelmente derrotados pelos gregos em Salamina, 480, Plateia e Mical, 479. Há razões para crer em considerável e várias evidências, que Zacarias era um homem jovem, diga-se de vinte ou vinte e cinco anos, quando em 520 A. C. ele exortou Zorobabel para o trabalho de reconstruir o templo, e consequentemente estes eventos ativos revelaram que a grandeza insuspeita da Grécia abriu-se com sucesso aos negócios com o oriente, isto acontecendo durante os primeiros anos de vida de Zacarias.

O segundo fardo, caps. 12 a 14, também é apontado por seu conteúdo pertencer ao período pós-exílio. O escritor se refere ao terror das pessoas quando aconteceu o terremoto nos dias de Ozias. Ele fala como de um evento ainda vivamente presente na consciência do povo, relembrado por eles por causa da ocorrência recente ou porque deixou uma impressão duradoura em suas mentes. Certamente foi impressão duradoura; porque ficou gravado pelo povo da geração em que aconteceu (Am 1.1), e nos primeiros século da era cristã era ainda lembrado como um evento solene e notável (Antig. 9. 10, 4). Existe outra marca histórica neste segundo fardo, a referência ao luto de Hadadrimom no Vale de Megido (Zc 12.11). A única referência natural aqui é a morte de Josias que se opôs ao Faraó Neco em Megido, lá foi mortalmente ferido e logo morreu, sua morte foi lamentada pelo canto de homens e mulheres, cuja lamentação foi composta pelo profeta Jeremias. Consequentemente o segundo fardo não foi entregue senão à véspera do exílio. As referências históricas dos dois fardos não só apontam para um período recente, mas as características literárias destes fardos proclamam-nos terem pertencidos à mesma fonte dos primeiros oito capítulos. Isto foi ativamente negado por certos críticos. Dizem que uma diferença de estilo é discernível entre os fardos e as visões. Isto é verdade, mas é doutrina cardeal da crítica literária que o estilo de um autor difere em vários períodos de sua carreira literária, e quando ele compõe diferentes formas literárias. O estilo de Zacarias naturalmente sofreu mudança durante um período de trinta ou quarenta anos e diferiu quando ele pintou visões e ações simbólicas do estilo que utilizava quando fazia advertências solenes. Ainda, na parábola ou a representação simbólica do bom pastor, existem rastros da mesma mão literária que retratou as visões e o coroamento do sumo sacerdote. E as marcas mais sutis da mesma mão são vistas no uso sem igual de certas palavras e expressões que caracterizam os primeiros oito capítulos em comum com o último; alguns destes são o Qal de yashab em uma voz passiva (2.8; 9.5; 12.6), meober umishshab (7.14; 9.8), ehad para o artigo indefinido (5.7; 12.7), alyamin, weal-semol (4.11; 12.6), adamah (9.16; 13.5). O emprego da mesma palavra em sentidos diferentes também é uma característica de ambas, da seção que é reconhecida por ser genuína e da seção que é disputada. Estas razões dispõem provas de que Zacarias foi o autor do livro inteiro, e que sua madureza se passou entre os anos 520 e 479 A. C. — (Dicionário da Bíblia de John D. Davis© W


.

Abrir