Bíblia do Caminho Súmulas Biográficas

São João Batista



João [do grego Ioannes, do hebraico Yohanan,  Jeová tem sido gracioso].  † 


João Batista. O precursor imediato de Jesus, a cujo caminho foi enviado para preparar. João nasceu de pais religiosos, e era de plena descendência sacerdotal, seus pais Zacarias e Isabel são descendentes de Arão (Lc 1.5). Ao mesmo tempo Isabel, a Levita, era prima da Virgem Maria, que pertencia à tribo de Judá (36). A residência dos pais de João era num povoado de Judá nas colinas do país (39), talvez Juta ou a cidade sacerdotal de Hebrom. Quando Zacharias, no desempenho dos seus deveres sacerdotais, queimava incenso no templo em Jerusalém, o anjo Gabriel apareceu a ele, prometendo que deveria tornar-se o pai de um filho, orientando-lhe que a criança devia ser chamada João, e ser educado como um Nazareno, como Sansão e Samuel, e predisse que ele devia ser cheio do Espírito Santo de nascença e que prepararia o povo para o Senhor (Lc 1.8-17). João nasceu no ano 5 A. C. Ele passou seus primeiros anos em excursões pelo deserto próximo de sua casa, a oeste do Mar Morto (80). Em A. D. 26 ele apareceu como um pregador no deserto próximo ao Jordão. Acredita-se que seu ministério tenha sido exercitado durante um ano Sabático (Lc 3.1,2), em que as pessoas eram aliviadas do trabalho nos campos e tinham lazer para assistir ao sermão de João. Ele veio para anunciar uma nova dispensação, proclamando o advento do reino de Deus e o batismo do Espírito Santo (Mt 3.2,11),  a fim de preparar as pessoas em intelecto e coração para a recepção do Cristo (3, 8), salientar o Cristo na pessoa de Jesus (Jo 1.15), e mostrar a união das duas dispensações no Cristo, como o Cordeiro de Deus (29, 36). Endereçou-se com grande zelo e clareza de fala às imensas multidões que, de toda parte, afluíam a ele. Aconselhou a necessidade do arrependimento sincero e imediato; a razão especial dessa advertência, atribuiu ser que o reino do Céu estava à mão. Os penitentes, depois de confessar seus pecados, eram batizados por João no Jordão; e tornou-se distinguido de outros do mesmo nome por chamar o batista. O batismo pela água que ele administrou simbolizava a limpeza do pecado. Ele não considerou isso como suficiente, mas dirigiu seus ouvintes a Um que devia vir depois dele, cujo cadarço do sapato ele não era digno de desatar, e que os batizaria com o Espírito Santo e fogo (Mt 3.5-12). Não obstante esta confissão de inferioridade a Jesus, nosso Senhor procurou o batismo nas suas mãos. João relutou, o que mostra que soube que Jesus era o Messias; mas obedeceu, para demonstrar sua subordinação (13-17). Soube de Jesus pelo ensino de seus pais, e a justeza desta informação foi confirmada a ele pela descida visível do Espírito Santo sobre Jesus em seu batismo. Por este sinal que ele foi autorizado declarar que Jesus era o Cristo (Jo 1.32,33). Malaquias predisse o aparecimento de Elias, o profeta, antes do grande e terrível dia do Senhor, converteria o coração dos  pais para os filhos, e o coração dos filhos a seus pais. João negou que era Elias em pessoa (Jo 1.21); definiu a própria missão e características por simplesmente citar Is 40.3. Mas João trazia o espírito e poder de Elias (Ml 4.5,6; cp. Lc 1.17), foi o mensageiro enviado para preparar o caminho diante do Cristo (Ml 3.1, com Mc 1.2), e Jesus aplicou estas predições a João (Mt 11.10,14; 17.12,13). Havia também uma semelhança entre os dois homens em seus trajes pobres e singelos, que usavam para simbolizar a renúncia às facilidades e luxúrias, seus costumes prestavam-se mais à vida no deserto que às cortes dos reis (2 Rs 1.8; Mt 3.4; 11.8; Mc 1.6). João havia dito de Jesus: “É preciso que Ele cresça, e que eu diminua”; e, sem ciúme, ele via a realização da sua predição (Jo 3.25-30). Seu ministério público foi curto, mas seu êxito popular foi imenso. No mais tardar, pelos fins de 27 ou início de  A. D. 28, tendo com sua fidelidade habitual reprovado Herodes o tetrarca por viver em pecado com a esposa de seu irmão Filipe, ele foi detido (Lc 3.19,20). Enquanto aí permaneceu, perplexo e impaciente quanto ao método do Cristo desenvolver seu trabalho, e talvez sentindo-se que fora esquecido enquanto outros foram ajudados, enviou dois dos seus discípulos para perguntar se Jesus era o Messias prometido. Em resposta Jesus apontou para seus trabalhos. Quando os dois discípulos partiram, Jesus aproveitou a oportunidade para fazer um alto panegírico de João (Mt 11.2-15) João foi o maior dos profetas no que foi privilegiado preparando as pessoas para o aparecimento do Cristo e assinalando o Cristo para elas. A vingança da adúltera Herodias causou a morte de João. Ela persuadiu sua filha, que agradou Herodes por sua dança, pedir a cabeça do batista. Foi-lhe dado, e o corpo acéfalo pouco depois foi retirado pelos discípulos de João e enterrado. Tendo ido seu mestre, lembraram-se de seu testemunho ao Cordeiro de Deus, e tornaram-se discípulos de Jesus (Mt 14.3-12; Mc 6.16-29; Lc 3.19,20). Josefo atribui a morte de João Batista  ao ciúme de Herodes, pela sua grande influência para com as pessoas. Diz também que a destruição do exército de Herodes na guerra com Aretas, que em seguida aconteceu, foi considerado um julgamento divino do tetrarca pelo assassinato de João. O historiador afirma que o lugar do encarceramento e morte do batista foi a fortaleza de Machaerus (Antig. 18. 5, 2). Machaerus, agora chamado Mekaur, está situada nas montanhas no lado oriental do Mar morto, aproximadamente 5 milhas ao norte do Arnon, e no topo de uma colina cônica de 3800 pés acima do Mar morto. A parede de circunvalação do antigo  baluarte ainda permanece claramente localizável, enquanto dentro de seu fundo poço há dois calabouços. Um dos últimos pode ter sido a prisão em que João foi confinado. — (Dicionário da Bíblia de John D. Davis©


.

Abrir